jusbrasil.com.br
26 de Junho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região TRT-3 - RECURSO ORDINARIO TRABALHISTA: RO 0011460-57.2016.5.03.0052 MG 0011460-57.2016.5.03.0052 - Inteiro Teor

Detalhes da Jurisprudência

Órgão Julgador

Quarta Turma

Publicação

23/02/2017.

Julgamento

17 de Fevereiro de 2017

Relator

Paula Oliveira Cantelli
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

PODER JUDICIÁRIO
JUSTIÇA DO TRABALHO
TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PROCESSO nº 0011460-57.2016.5.03.0052 (ED)

EMBARGANTE: MUNICIPIO DE LEOPOLDINA

RELATORA: PAULA OLIVEIRA CANTELLI

FUNDAMENTOS DO JULGAMENTO DOS EMBARGOS DE DECLARAÇÃO (art. 180 do Regimento Interno do TRT da 3a. Região)

Regularmente opostos, conheço dos embargos de declaração.

O Município réu, ora embargante, requer o provimento dos embargos de declaração, alegando haver omissões e contradições no julgado, a saber: "1 - contradição do julgado no que tange o instituto da renúncia reconhecido nos autos, com a aplicação do artigo 191 do Código Civil, sem considerar que referido dispositivo traz expressamente, como condição sine qua non à renúncia, a consumação prévia da prescrição - fato não consumado no momento do parcelamento realizado - considerado como o ato de renúncia a prescrição in casu - culminando na violação literal de seu dispositivo e diversamente de precedente referido nas argumentações aviadas; 2 - omissão do r. julgado no que tange a alegada vulneração do artigo , LV e artigo , XXIX, ambos da Constituição Federal, cuja análise deve ser realizada com a reserva de plenário requerida na peça ordinária, ex vi do artigo 97, também de Nossa Carta Maior, por não possibilidade de interpretação extensiva do artigo 11, I, da Lei Trabalhista, para atribuição de imprescritibilidade a obrigação objeto da ordália, sem afronta aos direitos constitucionais arguidos e divergência com a Súmula de Jurisprudência Uniforme nº 362 da Corte Trabalhista; 3 - omissão do julgado quanto a prova incontroversa de que o Município cumpriu com suas obrigações, principais e acessórias, decorrentes do FGTS de seus servidores - qual seja a certidão negativa expedida pela CEF - gestora do fundo social; 4 - omissão quanto a possibilidade de anulação de eventual confissão decorrente do parcelamento, relativo a período anterior a 1988, ante erro de fato decorrido da especialidade e da fé pública dos agentes do Ministério do Trabalho responsáveis pela autuação dessa municipalidade, ex vi do artigo 214 do Código Civil." (Id. b834fc1 - Pág. 13/14).

Ao exame.

Inicialmente, saliento que os embargos de declaração não se prestam para rediscutir as pretensões já devidamente analisadas ou nem mesmo para veicular os inconformismos das partes com a decisão prolatada.

Todas as questões essenciais e relevantes ao desate da lide foram fundamentadamente resolvidas, não havendo qualquer omissão ou contradição a merecer saneamento. A propósito, o art. 489, § 3º, do CPC/2015, impõe que "a decisão judicial deve ser interpretada a partir da conjugação de todos os seus elementos e em conformidade com o princípio da boa-fé".

In casu, com efeito, este Colegiado declinou com clareza as razões pelas quais entendeu que restou configurada a renúncia tácita do ente público ao prazo prescricional, conforme dispôs o v. acórdão, verbis:

"PREJUDICIAL DE MÉRITO

PRESCRIÇÃO BIENAL

O Município réu aduz a prescrição do feito, nos termos do artigo , XXIX, da CR/88 e Súmulas 382 e 362/TST, aduzindo inexistir ato posterior ao fim da prescrição que importasse em renúncia. Ainda, argumenta que os parcelamentos de débitos firmados com a Caixa Econômica Federal foram realizados antes do início do transcurso do prazo prescricional, razão pela qual não se há falar em renúncia, nem tampouco em interrupção da prescrição, nos termos do art. 191, do Código Civil.

Sem razão.

In casu, restou configurada a renúncia tácita do ente público ao prazo prescricional, no momento em que aderiu ao parcelamento dos valores devidos a título de depósitos do FGTS junto à Caixa Econômica Federal, consolidando o termo de confissão de dívida, após esgotado o prazo prescricional bienal.

Assim sendo, deve ser rejeitada a arguição de prescrição suscitada pelo recorrente, como corretamente decidido pelo d. Juízo a quo, in verbis:

"DA PREJUDICIAL DE MÉRITO - PRESCRIÇÃO BIENAL

Tratam os autos de pleito de individualização dos depósitos feitos pelo réu em conta única perante o órgão gestor - CEF, em razão de parcelamento da dívida, com o objetivo de possibilitar o levantamento do FGTS da contratualidade.

Como visto, a pretensão do reclamante contempla obrigação de fazer e de cunho declaratório, no sentido de que o Município reclamado proceda ou declare a individualização dos depósitos do FGTS, correspondentes ao período do contrato de trabalho, para posterior liberação do saldo de sua conta vinculada.

A parte ré arguiu a incidência ao caso da prescrição bienal, tendo em vista que a mudança de regime operou-se há mais de dois anos, com a Lei Complementar nº 02/02, de 28/06/2002.

No caso, é incontroverso que a relação de emprego entre a parte autora e o Município réu perdurou até 2002, ocasião em que por força da LC Municipal nº 02/2002 de 28/06/2002 esta relação transmudou-se para o regime estatutário, permanecendo o vínculo assim regido desde então.

Assim, a partir da alteração do regime, em 28/06/2002, a pretensão da parte autora quanto aos depósitos do FGTS relativos ao vínculo de emprego estaria prescrita, na forma do art. , XXIX, da Constituição da Republica, com a interpretação dada pelo Tribunal Superior do Trabalho em suas súmulas 362 e 382.

Todavia, noticia o próprio reclamado que após ter sido autuado pelo MTE, firmou um contrato de parcelamento da dívida relativa aos recolhimentos devidos ao FGTS, sem contestar a regularidade da cobrança, a qual foi adimplida por meio de retenção do FPM, no período de 1997 a 2008.

Dessa forma, ao reconhecer a dívida e propor-se ao pagamento, o réu praticou ato incompatível com a prescrição arguida, o qual configura renúncia tácita ao instituto prescricional, na forma do art. 191 do Código Civil, aplicável subsidiariamente ao Direito do Trabalho, a teor do art. da CLT.

Ressalto, a fim de que não se alegue omissão no julgado, que a renúncia afasta a incidência da prescrição, não havendo falar em reabertura do prazo prescricional após o término do pagamento do parcelamento da dívida confessada.

Vale lembrar, ainda, que relativamente ao pleito de natureza meramente declaratória (individualização dos depósitos), a pretensão não pode ser colhida pela prescrição. (inteligência do parágrafo 1º do artigo 11 da CLT).

Por tais fundamentos, e revendo entendimento anterior, rejeito a prejudicial de prescrição bienal."(Id. ae86aba - Pág. 5/6)

No mesmo sentido é a jurisprudência do C.TST:

"RECURSO DE REVISTA. PRESCRIÇÃO - RENÚNCIA TÁCITA - FGTS - TERMO DE CONFISSÃO DE DÍVIDA E COMPROMISSO DE PAGAMENTO FIRMADO PELO MUNICÍPIO (alegação de violação ao artigo 191 do Código Civil e divergência jurisprudencial). A jurisprudência desta Corte consolidou-se no sentido de que resta configurada a renúncia tácita à prescrição quando determinado ente público firma Termo de Confissão de Divida com a CEF, relativo a parcelas do FGTS, quando já consumada a prescrição sobre a pretensão do empregado, nos moldes do artigo 191 do Código Civil, segundo o qual "A renúncia da prescrição pode ser expressa ou tácita, e só valerá, sendo feita, sem prejuízo de terceiro, depois que a prescrição se consumar; tácita é a renúncia quando se presume de fatos do interessado, incompatíveis com a prescrição". Recurso de revista conhecido e provido. ( RR - 1778-35.2012.5.15.0036, Relator Ministro: Renato de Lacerda Paiva, Data de Julgamento: 02/12/2015, 2ª Turma, Data de Publicação: DEJT 11/12/2015)"

"RECURSO DE REVISTA. PRESCRIÇÃO. FGTS. TERMO DE CONFISSÃO DE DÍVIDA. RENÚNCIA TÁCITA. A jurisprudência desta Corte assentou-se no sentido de que o termo de reconhecimento de dívida e compromisso de pagamento do FGTS, firmado entre o ente público e a Caixa Econômica Federal, quando já exaurido o prazo prescricional, importa em renúncia à prescrição já consumada, consoante o disposto no art. 191 do Código Civil. Recurso de revista conhecido e parcialmente provido. ( RR -1400-81.2012.5.15.0100 , Relatora Ministra: Dora Maria da Costa, Data de Julgamento: 29/06/2016, 8ª Turma, Data de Publicação: DEJT 01/07/2016)

Rejeito. (Id. bf6b01b - Pág. 2/4)

Repisa-se, pois os embargos de declaração são instrumento processual de cabimento restrito às hipóteses capituladas no artigo 1022, do CPC/2015, a saber, contradição, obscuridade, omissão ou correção de erro material. Não tendo sido caracterizado nenhum desses vícios, não há como prover os presentes embargos, pois o recurso tem a fundamentação vinculada às situações expressamente previstas em lei.

Quanto às alegadas omissões, relatadas nos itens 2, 3 e 4 dos embargos, o que se vê no caso concreto, é que a ré pretende que seja reexaminada e decidida a controvérsia de acordo com sua ótica, o que não se admite pela via eleita. Se a parte não concorda com o resultado da decisão, deve fazer uso do meio recursal próprio. Ressalta-se que o decisum foi claro em seus fundamentos, no que diz respeito ao FGTS:

"DEPÓSITOS DO FGTS

Pugna o réu pela improcedência do pleito, aduzindo a ausência de comprovação, por parte da autora, de que era optante para o recebimento de valores do FGTS, no período contratual anterior a 1988, afirmando que a recorrida não poderia sacar os valores recolhidos em sua conta vinculada. Alega, por fim, a regularidade do Município perante à Caixa Econômica Federal, sobre a obrigação principal e acessória de débitos do FGTS.

Sem razão.

De início, verifica-se que o contrato de trabalho da autora foi regido pela CLT (CTPS - Id. 4685a07). Por conseguinte, conforme exposto na r. sentença, consoante noticia o Ofício 003741/2016/GIFUGBHI3, expedido na ação trabalhista de autos nº 0010201-27.2016.5.03.0052, o Município de Leopoldina firmou com a CEF acordo de parcelamento de débitos concernentes ao FGTS dos seus servidores, relativamente ao período de 01/67 a 02/91, referente a débito confessado espontaneamente e a débitos notificados pelo MTPS. (Id. ae86aba - Pág. 7).

Portanto, verifica-se que pedido deduzido nos autos refere-se a valores já depositados em decorrência do parcelamento firmado com a CEF e que o período trabalhado pela autora em proveito do réu foi alcançado pelo aludido parcelamento. E tendo a obreira comprovado o recolhimento do FGTS em seu favor em data anterior ao ano de 1988, por certo, encontra-se também comprovada a sua qualidade de optante pelo regime.

Lado outro, considerando-se que o montante adimplido em razão do referido parcelamento, não foi individualizado na conta vinculada de cada ex-empregado do Município, o que inviabilizou o saque perante a Caixa Econômica Federal, cabe ao réu, na condição de empregador, efetuar a correta individualização dos valores recolhidos a título de FGTS, no período do contrato de trabalho da autora, a fim de possibilitar o saque dos respectivos depósitos.

Nesse passo, configurada a obrigação do empregador em proceder ao correto recolhimento dos valores atinentes ao FGTS, bem como o envio das informações aos sistemas pertinentes, nos termos do disposto no artigo 15, da Lei nº 8.036/90, escorreita a decisão do Juízo a quo que condenou o Município réu no cumprimento da seguinte obrigação de fazer:

" para condenar o reclamado, MUNICÍPIO DE LEOPOLDINA, obrigação de fazer correspondente à individualização dos depósitos do FGTS referentes ao período do contrato de trabalho celebrado com a parte autora, a fim de possibilitar-lhe o saque dos respectivos depósitos, tal como formalizado nos assentamentos funcionais, comprovando nos autos no prazo de 30 dias a partir de intimação específica, sob pena de pagamento de indenização substitutiva. "(Id. ae86aba - Pág. 10)

Nego provimento. (Id. bf6b01b - Pág. 4/5)

Convém lembrar que o magistrado não está obrigado a enfrentar individualmente todos os elementos de prova ou os argumentos expendidos pelas partes, competindo-lhe, indicar, na decisão, os motivos que lhe formaram o convencimento, nos termos do art. 371 do CPC/2015, o que se verificou no caso dos autos.

Ainda, conforme a Orientação Jurisprudencial 118 da SBDI-1 do Col. TST, é desnecessário o prequestionamento (Súmula 297 do TST) quando existe tese explícita na decisão recorrida.

Ressalta-se, por fim, que o acórdão encontra-se adequadamente fundamentado, tendo sido entregue às partes a completa prestação jurisdicional, nos termos do art. 93, IX, da CR/88. Por tais fundamentos, nego provimento aos embargos de declaração opostos.

Acórdão

FUNDAMENTOS PELOS QUAIS,

O Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região, pela sua Quarta Turma, na Sessão de Julgamento, Ordinária, realizada no dia 15 de fevereiro de 2017, por unanimidade, conheceu dos embargos de declaração opostos pelo Município réu; no mérito, sem divergência, negou-lhes provimento.

Belo Horizonte, 15 de fevereiro de 2017.

PAULA OLIVEIRA CANTELLI

Desembargadora Relatora

Presidiu o julgamento o Exmo. Desembargador Paulo Chaves Corrêa Filho.

Tomaram parte neste julgamento as Exmas.: Desembargadora Paula Oliveira Cantelli (Relatora), Desembargadora Maria Lúcia Cardoso de Magalhães e Desembargadora Denise Alves Horta.

Representante do Ministério Público do Trabalho presente à sessão: Dra. Maria Christina Dutra Fernandez.

Composição da Turma em conformidade com o Regimento Interno deste Regional e demais Portarias específicas.

Válbia Maris Pimenta Pereira

Secretária da Sessão

PAULA OLIVEIRA CANTELLI

Desembargadora Relatora

/POC - 01/3

VOTOS

Disponível em: https://trt-3.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/1110530250/recurso-ordinario-trabalhista-ro-114605720165030052-mg-0011460-5720165030052/inteiro-teor-1110530260