jusbrasil.com.br
26 de Junho de 2022
  • 2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Detalhes da Jurisprudência

Órgão Julgador

Terceira Turma

Publicação

24/11/2020.

Julgamento

24 de Novembro de 2020

Relator

Vitor Salino de Moura Eca
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Inteiro Teor

PODER JUDICIÁRIO
JUSTIÇA DO TRABALHO
TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO
03ª Turma

PROCESSO N.º 0010858-25.2017.5.03.0022-AP

AGRAVANTE: DROGARIA ARAUJO S A

AGRAVADO: JOSE GERALDO ALVES

RELATOR: VITOR SALINO DE MOURA ECA

EMENTA

REFLEXOS DE HORAS EXTRAS SOBRE REPOUSO SEMANAL REMUNERADO. DISTINÇÃO DE FERIADOS E REPOUSO SEMANAL REMUNERADO. Apesar de o feriado ser considerado dia de repouso, não se confunde com o repouso semanal remunerado. No presente caso concreto, a r. sentença exequenda não contemplou, expressamente, reflexos das horas extras nos feriados, não podendo ocorrer a interpretação extensiva conferida pelo D. magistrado "a quo", sob pena de violação à coisa julgada.

Vistos os autos.

RELATÓRIO

A r. decisão contra a qual se recorre encontra-se no ID. a4d72fd.

A executada interpôs agravo de petição no ID. 93d3341.

O exequente contraminutou o agravo de petição interposto pela executada no ID. 292abd7.

O Ministério Público foi dispensado de emitir parecer, com fundamento no artigo 82 do Regimento Interno deste Eg. TRT da 3ª Região.

É o relatório.

ADMISSIBILIDADE

PRELIMINAR - AUSÊNCIA DE DELIMITAÇÃO - IMPOSSILIBIDADE DE CONTINUIDADE DA EXECUÇÃO (contraminuta do exequente)

Em contraminuta, o exequente arguiu o não conhecimento do agravo de petição da executada, ao argumento de que não foram delimitadas as matérias, na forma do § 1º, do art. 897 da CLT.

Sem razão.

Ao contrário do que afirma o exequente, a executada delimitou, justificadamente, as matérias e os valores impugnados em seu agravo de petição, atendendo perfeitamente ao disposto no art. 897, § 1º, da CLT.

Rejeito.

Conheço o agravo de petição interposto pela executada no , porquanto atendidos os pressupostos de admissibilidade.

MÉRITO

Em seu agravo, a executada delimita o exame das seguintes matérias: a) enunciado 340 TST; b) reflexos nos repousos; c) quantidade excessiva horas extras; d) reflexos dos reflexos sobre FGTS; e) horas extras - base de cálculo excessiva.

ENUNCIADO 340 C. TST

A executada se insurgiu contra a r. decisão recorrida, alegando que o perito não observou a Súmula 340 do C. TST quanto realizou os cálculos das horas extras sobre as comissões. Aduziu que o sr. Perito adicionou à base de cálculo das horas extras (intervalo intrajornada e horas extras) os valores do incentivo produtividade e DSR, ou seja, contemplou o valor hora acrescido do adicional extraordinário (e não apenas o adicional sobre a hora trabalhada).

Sem razão.

Nenhum reparo merece a r. decisão recorrida, que verificou que os cálculos periciais observaram o comando exequendo, que dispôs: "Em liquidação, deverá ser observada a evolução salarial do autor; as súmulas 264, 347 e 437 e a Oj 415 da SDI1, todos do TST; adicional legal; adicional noturno; redução da hora ficta noturna; o divisor 220; a frequência integral, conforme jornada arbitrada, excetuados comprovados períodos de afastamento, consoante documentos já acostados aos autos".

Portanto, o comando exequendo é expresso no sentido da aplicação da Súmula 264 do C. TST e do divisor 220 para apuração de horas extras. Não há menção à Súmula 340 do C. TST.

A liquidação visa a estabelecer o valor exato da condenação ou do acordo homologado, conforme o caso, sendo certo que, nessa fase, não se poderá modificar ou inovar os termos do título executivo, nem discutir matéria atinente à causa principal, sob pena de alteração do comando exequendo, por via oblíqua, e consequente ofensa ao instituto da coisa julgada (art. 879, § 1º, da CLT), conforme entendeu o MM. Juízo de primeiro grau.

Assim, resta preclusa a oportunidade processual para rediscussão do mérito da demanda, devendo o comando exequendo ser obedecido em seus estritos termos.

Nego provimento.

REFLEXOS NOS REPOUSOS

A executada se insurgiu contra a r. decisão recorrida, alegando que o laudo pericial incluiu indevidamente os dias de feriados para apuração do reflexo do RSR. Salientou que a r. sentença não determinou apuração dos reflexos sobre os feriados, e não há nas normas coletivas da Reclamada disposição quanto a este quesito. Invocou a Lei 605/49.

Ao exame.

A perita oficial fez incluir, na apuração dos reflexos das horas extras em RSR, os feriados, considerando que são também dias de repouso (ID. 573cd38).

Apesar de o feriado ser considerado dia de repouso, não se confunde com o repouso semanal remunerado.

No presente caso concreto, a r. sentença exequenda (ID. c8847de) não contemplou, expressamente, reflexos das horas extras nos feriados, não podendo ocorrer a interpretação extensiva conferida pelo D. magistrado "a quo", sob pena de violação à coisa julgada.

No mesmo sentido, vem decidindo esta D. Terceira Turma em sua atual composição (cf. AP 00946-2014-064-03-00-2, cujo acórdão, de relatoria do Exmo. Desembargador Luis Felipe Lopes Boson, foi publicado em 19/06/2017).

Portanto, dou provimento ao agravo de petição da executada para determinar a retificação dos cálculos, excluindo-se os feriados da apuração dos reflexos das horas extras sobre RSR.

Provejo nesses termos.

QUANTIDADE EXCESSIVA HORAS EXTRAS

A executada se insurgiu contra a r. decisão recorrida, alegando que foi apurada quantidade excessiva de horas extras, já que o perito não observou o limite de 44horas semanais, apurando horas excedentes a 8ª diária por todo o período de apuração.

Sem razão.

Nos termos da r. decisão recorrida, o perito oficial somente deu cumprimento ao comando exequendo, que deferiu o pagamento como extras, das horas trabalhadas após a 8ª diária ou 44ª semanal, observado o padrão mais vantajoso ao empregado (fls. 296).

Neste sentido, a quantidade horas extras apuradas seguiu estritamente os parâmetros definidos no comando decisório, sendo apuradas como extras as horas excedentes a 8ª diária, por ser mais vantajoso ao empregado.

Portanto, os cálculos oficiais observaram o disposto no art. 879, § 1º, da CLT, não havendo o que reformar.

Nego provimento.

REFLEXOS DOS REFLEXOS SOBRE FGTS

A executada requereu a reforma da r. decisão, em relação aos reflexos dos reflexos sobre o FGTS. Alegou que o perito apurou o valor dos reflexos do FGTS, sobre as horas extras + RSR's e sobre os seus reflexos.

Sem razão.

Nos termos da r. decisão recorrida, o procedimento adotado pelo perito oficial está em consonância com a legislação pertinente, não havendo retificação a ser feita.

Ainda, em que pese o inconformismo recursal, a inclusão de parcelas remuneratórias na base de incidência do FGTS consubstancia metodologia de cálculo que, por decorrer de previsão legal (art. 15 da Lei 8036/90), não depende de determinação expressa no comando exequendo. Trata-se de comando legal de observância obrigatória na fase de liquidação.

Nego Provimento.

HORAS EXTRAS - BASE DE CÁLCULO EXCESSIVA

A executada se insurgiu contra a r. decisão recorrida, alegando que nos meses de férias do reclamante o valor utilizado na base de cálculo das horas extras a título de "incentivo produtividade" se encontra excessivos.

Sem razão.

Nenhum reparo merece a r. decisão recorrida, que firmou o seu livre convencimento motivado nos esclarecimentos periciais de fls. 538.

Em que pese o inconformismo recursal, o perito utilizou da média de produtividade paga ao longo o período aquisitivo, estando correta a metodologia empregada.

Nego provimento.

LITIGÂNCIA DE MÁ-FÉ - ATOS PROTELATÓRIOS DA AGRAVANTE (contraminuta do exequente)

Em contraminuta, o exequente pugnou pela aplicação da multa por litigância de má-fé da executada, ao argumento de que a interposição de recurso teve o intuito manifestamente protelatório. Aduziu que os cálculos homologados pelo Expert da confiança do r. Juízo "a quo", são incontroversos e não há como se alterar a verdade dos fatos e a resistência da agravante não se justifica, suas alegações são destituídas de fundamentos cujos atos são inúteis e tão somente denotam para sua pura e notória pretensão de criar embaraços à efetivação do cumprimento dos provimentos judiciais.

Sem razão.

Caracteriza-se a má-fé processual pela conduta antijurídica de alguém que atue em juízo com o animus de causar prejuízo a seu adversário, ou a terceiro, embora convicto de que lhe não assiste razão. O substrato da má-fé é a intenção de prejudicar e seu elemento subjetivo é o dolo.

No presente processo, não se verifica que a executada tenha agido com dolo processual, sendo que suas condutas não ultrapassaram os limites assegurados pela lei, não se podendo, por isso, reputá-la litigante de má-fé.

Nada a reparar.

CONCLUSÃO

Conheço o agravo de petição interposto pela executada e, no mérito, dou-lhe provimento parcial para determinar a retificação dos cálculos, excluindo-se os feriados da apuração dos reflexos das horas extras sobre RSR. Custas processuais de execução, pela executada, no importe de R$44,26 (quarenta e quatro reais e vinte e seis centavos).

Acórdão

ACORDAM os Desembargadores do Tribunal Regional do Trabalho da Terceira Região, pela sua 3ª Turma, em Sessão Ordinária Virtual realizada em 19, 20 e 23 de novembro de 2020, à unanimidade, em conhecer o agravo de petição interposto pela executada e, no mérito, sem divergência, em dar-lhe provimento parcial para determinar a retificação dos cálculos, excluindo-se os feriados da apuração dos reflexos das horas extras sobre RSR. Custas processuais de execução, pela executada, no importe de R$44,26 (quarenta e quatro reais e vinte e seis centavos).

Tomaram parte no julgamento os Exmos.: Juiz Convocado Vítor Salino de Moura Eça (Relator, substituindo o Exmo. Des. Milton Vasques Thibau de Almeida), Des. Cléber José de Freitas e Juíza Convocada Maria Cristina Diniz Caixeta (substituindo a Exma. Des. Emília Facchini).

Presidência: Exmo. Des. Luís Felipe Lopes Boson.

Presente o il. Representante do Ministério Público do Trabalho, dr. Helder Santos Amorim.

Secretária: Cristina Portugal Moreira da Rocha.

VITOR SALINO DE MOURA ECA

RELATOR

lc.

Disponível em: https://trt-3.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/1131205546/agravo-de-peticao-ap-108582520175030022-mg-0010858-2520175030022/inteiro-teor-1131205585

Informações relacionadas

Guilheme Lima, Advogado
Modeloshá 2 anos

Falta de Depósito do FGTS

Ruama Assunção Rocha, Advogado
Modeloshá 5 meses

Modelo de Reclamação Trabalhista (Rescisão Indireta)

Maria do Carmo Galindo Luchetta, Advogado
Modeloshá 3 anos

Ação Reclamatória Trabalhista

Roseane Diniz, Advogado
Modeloshá 11 meses

Modelo Reclamação trabalhista

Jose Antonio Abdala, Advogado
Modeloshá 6 anos

[Modelo] Reclamação trabalhista pleiteando multa de 40% incidente sobre o FGTS depositado