jusbrasil.com.br
23 de Janeiro de 2022
2º Grau
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região TRT-3 - RECURSO ORDINARIO TRABALHISTA : RO 0043100-76.2009.5.03.0035 0043100-76.2009.5.03.0035

Detalhes da Jurisprudência
Órgão Julgador
Turma Recursal de Juiz de Fora
Publicação
19/01/2010, 18/01/2010. DEJT. Página 175. Boletim: Não.
Relator
Marcelo Lamego Pertence
Documentos anexos
Inteiro TeorTRT-3_RO_00431200903503000_6235b.pdf
Entre no Jusbrasil para imprimir o conteúdo do Jusbrasil

Acesse: https://www.jusbrasil.com.br/cadastro

Ementa

DISTRIBUIÇÃO DO ÔNUS DA PROVA. HORAS EXTRAS.

Conforme preceitua o art. 818da CLT, a prova das alegações incumbe à parte que as fizer. Na mesma esteira, tem-se o disposto nos incisos Ie IIdo art. 333do CPC, os quais prescrevem que o ônus da prova incumbe: ao autor, quanto ao fato constitutivo do seu direito; e ao réu, quanto à existência de fato impeditivo, modificativo ou extintivo do direito do autor. Inexistentes horas extras não registradas nos controles de ponto e, trazendo a ré aos autos recibos de pagamento com quitação de horas extras em praticamente todo o período laborado, competia ao autor demonstrar de forma inequívoca a incorreção quanto à quitação do labor em sobrejornada, mediante a comprovação de que o número de horas extras efetivamente laboradas, não correspondia àquele quitado pela ré. Em assim não procedendo, não cabe ao julgador sub-rogar-se no ônus subjetivo da parte omissa, ainda que se leve em conta o consagrado princípio da proteção ao hipossuficiente e o propalado princípio da aptidão da prova.
Disponível em: https://trt-3.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/124331783/recurso-ordinario-trabalhista-ro-431200903503000-0043100-7620095030035