jusbrasil.com.br
16 de Agosto de 2022
    Adicione tópicos

    Empresa deverá ressarcir empregado pelo roubo de motocicleta de sua propriedade usada no serviço

    O risco do negócio deve ser suportado exclusivamente pelo empregador, já que é ele quem usufrui sozinho dos lucros de seu empreendimento. Assim se manifestou a 8ª Turma do TRT-MG, ao decidir, com fundamento no artigo da CLT, manter sentença que condenou a empregadora a indenizar o empregado pelo roubo de motocicleta de sua propriedade, que era usada no trabalho, por exigência da empresa. No entender dos julgadores, a ré deve arcar com as consequências de ter optado pela locação do veículo do trabalhador, em vez de fornecer os instrumentos para a prestação de serviços.

    Conforme esclareceu o desembargador Márcio Ribeiro do Valle, a empresa foi condenada a indenizar o trabalhador, em pouco mais de R$4.000,00, pelo roubo de sua motocicleta. Mas a ré não se conformou, argumentando que alugou o veículo de seu empregado. No momento do assalto, era ele quem conduzia a moto, motivo pelo qual não pode ser responsabilizada pelo ressarcimento do bem. No entanto, o juiz relator pensa diferente.

    Analisando o caso, o magistrado observou que não há discussão no processo quanto ao fato de o autor ter sido vítima de assalto durante o expediente e que, na ocasião, roubaram a sua moto. Também não há dúvida de que lhe foi imposto, como condição indispensável para a contratação, que fosse proprietário de motocicleta, a fim de que pudesse desenvolver suas atividades. A própria preposta admitiu a exigência. Assim, fica evidente que a moto era mesmo um instrumento de trabalho. O relator lembrou que o artigo da CLT estabelece que o empregador deve assumir os riscos da atividade econômica, porque é ele quem recebe os lucros.

    No entanto, a ré obrigava seu empregado a utilizar veículo próprio para executar os serviços para os quais foi contratado. "Dessa forma, ela deve arcar com as consequências da sua escolha, haja vista que o fornecimento dos instrumentos de trabalho necessários para a prestação de serviços, constitui sua obrigação, sob pena de transferência dos riscos da atividade empresarial", ponderou o desembargador, ressaltando que o empregado não pode arcar com os custos da atividade da empresa. Se o uso da motocicleta era mesmo imprescindível, a reclamada deveria ter fornecido essa ferramenta de trabalho.

    "Porém, se assim não procedeu, preferindo pagar um valor mascarado pelo aluguel da moto de propriedade do Autor, deve assumir os riscos da sua escolha", destacou o relator. O roubo do veículo, durante o expediente, enquadra-se na hipótese de risco da atividade empresarial, sendo, portanto, responsabilidade do empregador. Assim, a decisão de 1º Grau foi mantida.

    Informações relacionadas

    Tribunal de Justiça do Paraná
    Jurisprudênciahá 8 anos

    Tribunal de Justiça do Paraná TJ-PR - Apelação: APL XXXXX PR XXXXX-5 (Acórdão)

    João Pedro Ferraz Teixeira, Advogado
    Artigoshá 6 anos

    Fui assaltado durante horário de trabalho, quais meus direitos?

    Tribunal Regional do Trabalho 13ª Região
    Jurisprudênciahá 13 anos

    Tribunal Regional do Trabalho 13ª Região TRT-13 - Recurso Ordinário: RO XXXXX PB 00741.2008.009.13.00-2

    Petição Inicial - TRT01 - Ação Reclamação Trabalhista - Atord - contra Joanne Hair Studio EIRELI

    Rafael Souza Rachel, Advogado
    Notíciashá 7 anos

    Assalto durante jornada de trabalho é caracterizado como acidente de trabalho

    1 Comentário

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

    trabalho de vendedor externo de vendas, recebo ajuda de custo para trabalhar de carro ,porem meu carro estragou e fui uns dias de moto, e minha moto foi furtado quando eu atendia um cliente, eu não tinha seguro, a empresa tem que me ressarcir pelos danos ou não. continuar lendo